quarta-feira, fevereiro 25, 2009

Tea with me

So one night I was dreaming about you, Alice, and there were these tiny little tea cups and... oh no, except that was Alessi's Ark tea party.
There was an animated horse made of sugar grains aaaaand a bear made of cookies. Actually, I don't know if it was a bear or an owl.
And also a... ahnmm... a kitty cat. And she was wearing a beautiful dress. I want the dress. I want the pink sandwiches too. I know! There is jelly in them. Probably made of a very pink fruit like... like... cherry. Yes. Or strawberry. And can I have the cinnamon bunny as well? Please, please, please!


School of Seven Bells


Ok, now I'm in love.
I was talking about Bat For Lashes a few posts ago, but then I saw these ladies in my Pitchfork TV marathon evening and BAM! Instantly fell for them.
So I google them and guess what? They are opening for Natasha's band durng their tour in UK, next April.

(I wanna be there!)

Listen to all of their songs, but if you don't have much time nor patience to do so, at least listen to:
Half Asleep
Trance Figure

Cadbury: Eyebrows Dance

quinta-feira, fevereiro 19, 2009

Bat For Lashes



Quizás la conoces por la canción (y el dulce videoclip) Prescilla. Banda de la multinstrumentalista, cantautora, poeta, y artista visual Natasha Khan, Bat For Lashes fue mi obsesión durante unos dos meses en 2008, cuando telonearon Radiohead en su gira por Europa. Es que me encantó el grupo, su música, su estética y, claro, Natasha y su historia. Por más que intentase entrevistarles para el primer numero de FEW (llamé a Londres, a NYC, fuimos a Madrid hablar con los de EMI music) no había forma de lograrlo. El motivo? Según sus representantes, no estaban interesados en hacer promo en España. Ya.
Me lo tomé con un silencio amargo. Sólo pude verles desde lejos, en el escenario. Y qué sorpresa ver a Natasha en la portada de Dazed and Confused. Ahora, con disco nuevo casi lanzado (Two Suns, en el 6 de Abril) y gira por todo el mundo. Trés cool.

Además de haber sido nominados al Mercury Prize 2007 y al Brit Awards 2008, ganaron elogios de la crítica y fans como Jarvis Cocker, Björk, Devendra Banhart (que en realidad es amigo íntimo de Natasha) y Thom Yorke, por supuesto.
Natasha Khan nació en Inglaterra, pero viajó mucho cuando pequeña. Pasó unos años cuando niña en Paquistán, su padre es de allí. Ahora vive entre Brighton y New York. Empezó su carrera musical tocando el piano, pero hoy toca muchas otras cosas (sus conciertos suelen tener instrumentos poco convencionales). Para que tengas una idea de su excentricidad, parte del álbum Fur and Gold (2006) fue grabado en la floresta.
Le gusta crear su propio universo, siempre con un aura de fantasía, mágica, algo de sueño… todo es transmitido a través de canciones densas y un marcado arte visual. El maquillaje va más allá, se convierte en pintura en la cara. El vestuario que lleva tiene temáticas de la naturaleza (animales, indígenas, etc) y algo de cuentos de hadas. Y es que Natasha mete su dedo artista en todas las etapas del proceso creativo. Ilustra las portadas de sus discos, su web, hace camisetas, expone obras en galerías, colabora con los realizadores de sus videoclips, crea el escenario de las actuaciones en directo.
Y no para ahí. Ya figuró en editoriales de moda de revistas de prestigio y es también la co-productora de sus dos álbumes.

quarta-feira, fevereiro 18, 2009

Won't you dance with me?

(Ao me dar conta que os meus posts obsessivos compulsivos de videoclipes da Pitchfork TV estavam deixando o Carolinacos arrastado, apelei pros links. É o jeito.)

O que eu mais gostei deste clipe do The Presets foi que se trata de teenagers dançando no Brooklyn e, mesmo assim, nao é street dance e a música nao é hip hop e nao tem ninguém rebolando.
Sou suspeita, minha formaçao de ballet clássico e dança contemporânea - sim, gente, já fui bailarina durante dez anos - ainda deixa buraquinhos que lacrimejam quando vejo espetáculos ou vídeos assim. Nao é lindo? Encantador? Até mais hipnotizante do que as pernas da Beyoncé.

Tá certo que no final do clipe a faísca bailante murcha um pouco, mas já nao importa, os primeiros três quartos matam, nail it. And that's what really matters, porque você olhou até o final.

Here We Go Magic: Tunnelvision




Caledoscópio e pintura em película + música boa = essa coisa linda.

terça-feira, fevereiro 17, 2009

Drops do Congresso de celulares em BCN 2009

Só algumas novidades do 3GSMA World Congress 2009 que eu pesquei por aí.

- Um celular carregado com energia solar;
- Aparelho feito a partir de garrafas de plástico recicladas;
- Um carregador de baterías standard para todos os aparelhos de todas as companhias estará disponível a partir de 2012. Além de conveniente, será ecologicamente correto.

Do you really wanna kill it? And be your own boss?

Web 2.0 Expo NY: Gary Vaynerchuk (Wine Library), Building Personal Brand Within the Social Media Landscape.

terça-feira, fevereiro 10, 2009

Saturday Night Live!

Foi na última quinta-feira que peguei meio sem querer a tao comentada estréia do Saturday Night Live, versão espanhola do legendário programa americano, transmitida pelo canal Cuatro.
Medo.
Essa mania dos espanhóis de fazer versões de musicais, peças e programas norte-americanos ou ingleses me causa arrepios. Mesmo assim, respirei fundo e me mantive imóvel no sofá.
E nao é que valeu a pena? Quando me dei conta estava dando gargalhadas sozinha.

O único que desanimou foi o convidado especial, que nessa noite foi o ator Antonio Resines. Bueno, nada que o elenco fixo nao remendasse rapidinho. Pra mim, quem dá de dez é a Eva Hache uma dessas pintas que nasceu pra fazer late night shows. É meio ame-a ou deixe-a. Eu amo. Ela tem um quê de Ellen DeGeneres.
Teve um ou dois sketches fraquinhos, mas até o SNL original tem lá seus momentos sem graça. Os melhores sao os comercias falsos de produtos estapafúrdios e os insitucionais hilários.

A ver se o ritmo se mantém.

sábado, fevereiro 07, 2009

We are human

*foto de Eduardo Rabin, pernas de Tatiana Granone.


Já que o site está meio improvisado por enquanto, explico um pouco o que é a FEW Magazine.

É uma publicação trimestral basicamente de moda, arte, música. Também tem o que chamamos de uma reportagem social, um perfil de algum personagem interessante, que tenha uma história incrível para contar, que tenha feito algo inovador, original, único, que nos ensine coisas. Nada de filantropia óbvia ou carreiras corriqueiras.
O objetivo é dar um pontapé de estímulo a talentos creativos de todo o mundo. Espaço para a diversidade. Tanto que somos um valenciano, uma mexicana, um madrileño e uma brasileira na equipe fixa, colaborando com gente de todos os cantos do planeta para a produçao de conteúdo visual e escrito.

Conteúdo
Todas as reportagens da revista sao densas, longas, aprofundadas, baseadas em entrevista e pesquisa. O estilo é de documentário, sem que a linguagem seja pesada, mas procurando manter um frescor inteligente e perspicaz. A única seçao pergunta-resposta é o Backstage, em que estarao bandas e cantores/compositores novos no cenário musical. Tendência. Já a reportagem musical e a de arte sao livres para jogar tanto com personagens hypes ou hipsters, gente que está lançando projetos ou cuja trajetória é atemporal. O que conta é a abordagem, que pode transformar histórias - vocês sabem disso.

Imagem
A imagem tem um papel fundamental na revista. Inspirados em revistas como a Metal, Dazed and Confused, Fanzine 137, Fantastic Men, entre outras, a identidade visual da FEW dispensa o ar comercial e super produzido das típicas revistas de moda. O glamour provém menos dos flashes ou das poses e se traduz em uma linguagem mais indie, muito mais espontânea. Isso se estende além dos editoriais, incluindo as reportagens.

É difícil colocar um rótulo na revista. Sempre passamos um puta trabalho pra descrevê-la, talvez por isso muita gente fica com uma cara de "quê??". Porque nao somos urbanos, extremamente vanguardistas ou pra lá de indie, ou mesmo glamurosos. Elegância, sim, mas sem nariz em pé. Vanguardismo sim, mas só salpicado aqui e ali, para que a publicaçao seja acessível e nao uma peça de museu.
Há contradiçao e pontos que nem sempre encaixam, mas estamos aprendendo. Acho que os pequenos conflitos dentro e (e fora) da FEW também geram faísca, e isso pode ser construtivo.

Enquanto ela nao sai da Espanha (se ensaia a distribuição em cidades como Paris, Londres, NY e Milao), vou publicando aqui alguns textos meus e fotos de páginas pra quem quiser acompanhar...
Hope you like it!


quinta-feira, fevereiro 05, 2009

Ya en las calles de España!

*foto de Edu Rabin

Nasceu nosso primeiro filhote: a FEW Magazine 01, onde eu estou de Chefe de Redação.
Frio na barriga no evento de apresentação, mas agora só podemos comemorar: contra todas as previsões de que ninguém mais compra revistas em papel, muito menos em épocas de crise, a FEW vendeu centenas de cópias já na primeira semana.
No Corte Inglés mais central de Madrid, esgotadas. A FNAC da capital também pediu mais.
Em Barcelona, restam apenas 20 na butique de revistas das Ramblas.


Gritos de guerrilha



Que venha mais uma ediçao de The Influencers.
Só podia ser no CCCB. Este festival é uma verdadeira mistureba no sentido mais literal da palavra. Se tivesse que criar uma metáfora (sou consciente do meu amor compulsivo pelas metáforas), seria um pavê de nata, geléia e carne picada (quem já viu Friends algum dia sabe do que estou falando), mas nao servido em pratinhos bonitos, e sim jogado pelas paredes. E na sua cara.

É isso mesmo: arte provocadora, extrema e radical. Bungee Jump de sensaçoes, torre de babel de línguas, de preferência entrelaçadas num beijo coletivo enquanto as maos livres se dao tapas, que é pra estressar a controvérsia e chocar massas.
No The Influencers, a gente encontra um pessoal que 'distorsiona la comunicación de masas, la cultura popular global, la propaganda tecnológica y el fetichismo ideológico'.

Sem falar que conta com o trabalho de um artista excepcional, o BLU, do vídeo aqui linkado. A maioria dos web junkies já viram esse trabalho híbrido de graffitti e stop and motion. O cara é incrível.

De hoje a sábado, em Barcelona.
Eu vou lá e depois conto o que me embriagou.

quarta-feira, fevereiro 04, 2009

Tale of Two Brains

Nesta interessante fábula, dica de Cari Levitan, você pode conferir de maneira didática e altamente científica como raios, afinal de contas, funcionam os cérebros das mulheres e dos homens, respectivamente.

Making Of T-Mobile Dance

The Coolest Non Conventional Comercial Ever

T Mobile at Livelrpool Street Station.
You see_? That´s the real thing.

domingo, fevereiro 01, 2009

Era uma vez, duas.

Uma sempre se levantava antes da outra. Era o normal: ia para o banheiro, fazia xixi e escovava os dentes. Enquanto estava sentada na patente sempre contemplava a florzinha marrom do azulejo, contava as folhas, tentava encontrar um sentido naquilo tudo. Quando voltava ao quarto a outra invariavelmente dormia. Soh quando a luz do closet era acesa que a outra se movia quente e mole entre os lencois. As vezes ela precisava cutucar a outra, as vezes elas competiam pela pia, mas em geral elas soh brigavam pela roupa. Nao podia ser igual.
No cafe sempre tinha mamao, iogurte e nescafe com leite. Se desse tempo, bebiam chimarrao, mas quase nunca dava. A kombi se cansava de buzinar lah embaixo e elas sempre davam a desculpa que o elevador parou. Tinha tambem o T2 na Cristovao, mas ele nao esparava tampouco.
De um dia pro outro, nao tinha mais onibus. Era carro.
Da noite pro dia nao tinha mais closet. Era mala.
De uma hora pra outra nao tinha mais rotina. Era aventura.

De repente, uma nao sabia mais quando a outra se levantava.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin